Ultimamente, quando se fala de comunicação e marketing, a conversa tende cada vez mais para a tecnologia. Fala-se de internet, algoritmos, digitalização, bigdata, geotarget, etc, etc, etc….

No varejo está em alta a comunicação omnichannel, que inclui todos os canais da empresa com o seu público diluindo as barreiras entre online e off-line de forma abrangente e integrada. Curiosamente não se aborda, pelo menos de forma clara e relevante, o papel dos funcionários nessa equação. Isso diz muito sobre o modelo mental que predomina no ambiente de negócios.

Em mais de 20 anos atuando na área, percebo muitas discrepâncias entre os discursos e as práticas em muitas empresas.

Ao longo desses anos desenvolvi projetos de endomarketing para empresas com centenas e até milhares de funcionários e posso afirmar que o perfil dos profissionais do setor de Recursos Humanos faz toda a diferença. A qualificação, experiência e o entendimento da importância da comunicação interna por parte dos profissionais de RH são a grande força que movimenta as estruturas internas em prol de um endomarketing dinâmico e eficiente.

Mas é uma via de mão dupla, pois depende de empresas com visão e sensibilidade. Quando isso ocorre, profissionais de RH devidamente empoderados e instrumentalizados fazem as coisas acontecerem e grandes e belos projetos com planejamento detalhado e cuidadoso nascem daí.

O RH seguro de suas capacidades aproveita a sinergia criada com a agência que contribui com ideias, experiências anteriores, criatividade e execução profissional das ações e campanhas.

Os resultados se manifestam em muitas direções e uma delas, talvez a menos reconhecida, porém uma das mais importantes é a repercussão nas dimensões do Marketing e Comunicação das empresas.

O ser humano no centro.

Na era digital o ser humano ainda é o ativo mais valioso de uma organização. Entender isso pode ser decisivo para o sucesso ou o fracasso de uma empresa.

Mas me surpreende que ao discutir marketing e comunicação, a dimensão humana relacionada aos funcionários raramente é incluída na conversa.

Ao sugerir coisas como, apresentar uma campanha aos funcionários da empresa antes do lançamento, já observei expressões de surpresa e até reprovação.

Quantos de nós já desistiu de uma marca ou de uma empresa após ter experimentado um mau atendimento, seja por desmotivação, inabilidade, falta de empatia ou falta de engajamento?

Me surpreendo ao descobrir empresas com dezenas de funcionários que não tem um setor de Recursos Humanos. Por vezes limitando-se a um setor de pessoal focado apenas em remuneração e questões trabalhistas.

E o que tudo isso tem a ver com Marketing e Comunicação?

Quando se pensa em marketing é preciso pensar não apenas nas relações com o público externo, mas também nas relações com o público interno e principalmente na sensível e delicada interface entre os dois. O que muitos chamam de endomarketing.

E sim, vale para todo tipo de empresa, física ou virtual. Afinal, qual empresa existe sem pessoas? No caso das empresas do mundo físico é mais fácil visualizar, mas observe que nas digitais existem por exemplo programadores, designers, web designers, atendentes via telefones e/ou chats, analistas de redes sociais, desenvolvedores de conteúdo, especialistas em vídeo e fotografia e por aí vai. Todos, direta ou indiretamente interagem com o mundo exterior.

Quando a empresa é muito pequena a comunicação interna até pode se dar de maneira informal na base do um pra um, mas à medida que cresce o número de colaboradores aumenta também a necessidade de estruturar e profissionalizar os processos e estratégias de comunicação.

Em nossa experiência de mais de 16 anos atendendo empresas de porte variado, podemos afirmar que o RH é fundamental para o sucesso desse processo. Profissionais preparados de Recursos Humanos, são capazes de monitorar o clima organizacional, visualizar as necessidades, elaborar um planejamento e quando possível com o apoio de uma agência experiente, desenvolver campanhas internas com diversos objetivos diferentes.

Necessidades como disseminar informações importantes, combater a desinformação e as Fake News, dar suporte ao gerenciamento de crise, promover uma maior integração, aumentar o engajamento e a motivação, capacitação, estimular a transparência e a ética, sedimentar valores organizacionais, potencializar o fluxo das informações em todos os níveis hierárquicos são apenas algumas das muitas possibilidades de uso de uma boa estratégia de endomarketing.

Aliança de sucesso. O RH é fundamental para o Marketing das empresas.

Quando feito de maneira adequada, o endomarketing tem forte influência na criação de um ambiente harmônico que, além dos óbvios benefícios internos, transmite uma imagem e uma mensagem poderosa da corporação em todas as interfaces de contato com o mundo exterior, sejam eles consumidores, parceiros, fornecedores e demais stakeholders.

A convergência entre as dimensões interna e externa amplifica a eficácia dos esforços de marketing e comunicação impactando positivamente o retorno sobre o investimento.

É surpreendente ver empresas que não incorporaram ainda esta percepção e que tem sua performance comprometida por colaboradores desmotivamos, desengajados, desinformados, céticos inseridos em um ambiente tóxico e contraproducente.

O endomarketing traz então, um enorme potencial transformador para as organizações, com ganhos que extrapolam o clima organizacional e as relações internas, pois também repercute de maneira significativa na imagem, na mensagem e numa ampla gama de interações da empresa com os diversos públicos externos.

A percepção, no ambiente de negócios em que a empresa atua, resultante da convergência do discurso com a prática fortalece e amplifica a identidade corporativa com indiscutível impacto sobre os resultados tangíveis e intangíveis do negócio.

Então é possível afirmar que a parceria do Marketing com o RH tem poder transformador e contribui decisivamente para o sucesso das organizações que pretendem prosperar no competitivo cenário do século XXI.